25 agosto 2014

Espelho em formato de Photoshop?


Custa 50 euros um dos gadgets mais bacanas dos últimos tempos.

ATYPYK é uma sociedade parisiense de criação de objetos diferentes. Entre suas criações está o Photoretouch Mirror, um espelho que tem o formato da área de trabalho do Photoshop. A peça é feita com corte à laser e serigrafia.


É certo que não é um produto daqueles mais indispensáveis, mas vamos combinar que qualquer ambiente vai ficar muito mais descolado com um espelho desses integrando a decoração, não vai?

A loja da marca também tem uma série de outros projetos super diferentes, cada um mais descolado do que o outro. Vale dar uma navegada pelo site: http://www.atypyk-e-shop.com/.

Imagens: http://www.atypyk-e-shop.com

22 agosto 2014

Painel de fotografias simples e barato


Eu gosto de casa colorida, paredes cheias e estilos misturados. A diversidade de estilos revela um pouco da minha hiperatividade.

Havia uma parede branca sobrando na sala de casa. Ela não chegava a incomodar, mas provocava horas de pensamentos do tipo "o que posso colocar aí". E foi em um desses momentos que finalmente decidimos por um pequeno painel fotográfico com imagens de boas recordações da nossa vida. Corri para o meu banco de imagens e selecionei seis fotografias dos lugares que mais gostamos ou de viagens inesquecíveis.

O projeto foi simples e muito rápido. Bastou ajustar as imagens para o formato quadrado, medindo cada uma delas 15x15cm. Para imprimir usei a velha e boa jato de tinta do nosso escritório e escolhi um papel fosco de alta resolução e qualidade fotográfica. Usei esse aqui da Pimaco, mas você pode usar qualquer papel com qualidade fotográfica. Aconselho que o acabamento seja fosco para evitar reflexos e arranhões.

Depois de impressas as imagens, eu e +Augusto Noronha partimos para a colocação na parede. Medimos milimetricamente a área da parede e fixamos as imagens uma a uma com fita dupla face da mais fina gramatura e a mais baratinha que encontramos no mercado. Entre cada imagem e cada fileira deixamos um intervalo de 7,5 cm. O resultado é esse da imagem. Nós adoramos.

Nas fotografias uma cena linda de flores em um dia de verão em Caruaru/PE. Logo em seguida o belíssimo catavento colorido que compramos (e fotografamos) para o nosso sobrinho em uma praia na Bélgica. Concluindo a fileira uma cena de fim de tarde de uma viagem massa para a Praia dos Carneiros/PE. Na segunda fileira um selfie na Praia do Borete em Porto de Galinhas/PE, um detalhe da praia de Tambaba/PB e mais um click da praia do Borete com destaque para Augusto e o mar.

Fotos e projeto: +Karla Vidal. Selfie e montagem: +Augusto Noronha.

Projeto na tela.

Projeto na parede.

20 agosto 2014

Rede Social Educacional abre seu código e apresenta novo momento em evento na USP


No próximo dia 29, às 15h, acontece na sala de videoconferência do prédio da Engenharia Elétrica da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli Elétrica USP) a palestra De Redu.com ao Openredu.org: a trajetória do software livre para educação com o professor Alex Sandro Gomes (CIn/UFPE).

O evento promovido pelo Projeto eMundus e pelo Centro de Estudos Sociedade e Tecnologia (CEST – USP) tem o objetivo de apresentar à comunidade acadêmica a trajetória de sucesso da Rede Social Educacional (Redu) e seu atual momento de abertura de código à sociedade que seguirá as práticas de software livre sob licença GPL2, a mesma utilizada pela maioria dos softwares livres em atividade na web.
Nesse momento a Redu passa a se chamar Openredu sem perder a sua principal característica que é ser um ambiente de colaboração para professores e alunos que permite criar situações de aprendizagem através da Internet, inclusive a partir de dispositivos móveis.

O caminho percorrido pela Redu até se tornar a comunidade Openredu.org será apresentado ao público presente pelo professor do Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco, Alex Sandro Gomes. Idealizador do projeto Redu, Alex Sandro é membro da Academia Pernambucana de Ciências e líder do grupo de pesquisa Ciências Cognitivas e Tecnologia Educacional (CCTE UFPE). Coordenador da comunidade Amadeus, software livre desenvolvido pela UFPE, é também coordenador da comunidade Openredu.

A participação no evento é gratuita e os interessados devem confirmar presença através do email cest@usp.br para receber a certificação na ocasião.

Serviço

De Redu.com ao Openredu.org: a trajetória do software livre para educação
Palestra de lançamento do software livre Openredu.org
Palestrante: Alex Sandro Gomes (CIn/UFPE).
Data: 29 de agosto de 2014 Horário: 15 às 17h
Local: Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Prédio da Engenharia Elétrica. Av. Prof. Luciano Gualberto, travessa 3 nº 158. CEP 05508-010- Cidade Universitária – SP Sala: B2-07
Mapa: http://goo.gl/maps/8GF4b

Texto, arte e apoio: +Pipa Comunicação.


19 agosto 2014

Vejam vocês! (Look at You!)


Hoje é o Dia Mundial da Fotografia!

Não consegui me segurar para lançar uma nova série de imagens hoje porque assim que concluí a edição bateu uma agonia para publicar o resultado logo no ar. O importante é que foi lançada nessa que para mim e para todos os amantes da fotografia é uma semana bastante especial. Fica registrada a homenagem.

Quem nos acompanha nas redes já deve ter visto as chamadas para Vejam vocês!, título que atribuí a série de fotografias que comecei a fazer em 2013 e concluí agora em 2014. Quando viajei à Europa pela primeira vez, uma das coisas que mais me chamou atenção foi a forma como muitas pessoas escolheram para envelhecer, apropriando-se da rua e compondo a paisagem, assim como fazemos na fotografia.

É muito revigorante observar a vitalidade daqueles que não negam o envelhecimento e tampouco a cidade. A rua é de todas as pessoas e a cidade fica ainda mais bonita quando realmente fazemos parte dela. A cidade é uma extensão do nosso lar. Com o passar dos anos a vida se torna mais feliz quando nos revelamos para ela. Eram essas as sensações que vivi quando cruzei com uma série de pessoas com mais de 60 anos em plena forma, mesmo quando necessitavam do apoio de uma bengala ou uma cadeira de rodas. O que para alguns pode significar limitação, para outros significa apoio para explorar cada vez mais o mundo.

Eu registrei lições de vida. Lições que servem para fazer refletir e questionar sobre modos de vida que insistem em nos manter afastados uns dos outros, escondidos no alto de grandes arranha-céus ou dentro dos nossos automóveis.

A rua está aí para ser vivida. A experiência que adquirimos com o passar dos anos precisa ser revelada. Os anônimos que fotografei nos ensinam que envelhecer não é sinônimo de se esconder. E nos mostram que faz parte da beleza da paisagem o modo como tomamos parte dela. Vejam vocês quanta experiência! Vejam vocês quanta vontade! Look at you! Olhe para você e inicie o exercício de compor você também a paisagem da sua cidade.

Clique sobre as imagens para ampliar.

















04 agosto 2014

Moinho de café

Moulin à Café da marca Peugeot. Foto: +Karla Vidal.

Eu adoro coisas antigas! Adoro uma boa atmosfera vintage. Adoro as braderies francesas e adoro café. Juntando tudo isso está criado o cenário perfeito para investir alguns dinheiros em objetos antigos bem especiais.

Já comprei, no Brasil mesmo, uma cômoda antiga que hoje é o principal móvel da minha sala. Já ganhei e comprei algumas câmeras antigas, entre elas a Focamatic que mostrei aqui no blog. Ano passado, trouxe da França uma Super8 Minolta que desfila toda sua beleza na abertura do Vlog da Pipa.

Nessas últimas férias tive o prazer de ir a uma enorme braderie no centro de Lille, região norte da França. Só não enfiei o pé na jaca porque já havia preparado uma planilha de despesas para a viagem que segui à risca. Mas, posso dizer que a tentação foi grande. Dessa feira trouxe comigo uma edição especial da famosa revista Le Monde Illustré que me custou 10 euros. A revista é sensacional! Foi publicada entre 1857 e 1940. Há exemplares digitalizados disponíveis no também sensacional acervo online da Biblioteca Nacional da França (♥). Também comprei uma reprodução dessa fotografia.

No entanto, a aquisição mais importante foi mesmo o moinho da marca Pegeout. O danadinho serve para moer qualquer coisa em grão. Esse moeu café — facilmente identificado pelo cheiro — e pimenta como me garantiu o vendedor. Foi impossível resistir. Como temos uma máquina de café e usamos café em grão no nosso dia a dia, não pude deixar de investir 10 euros nessa relíquia verde que gritava frente aos demais em cor marrom. Já temos um elétrico, mas é sempre bom garantir o cafezinho no caso de uma falta de energia, não é? Se não quiser virar refém do café em grão, sugiro nunca experimentar. Uma vez usado, você vai querer ter um moedor e passar a usar apenas esse tipo de café.

O moinho é lindo. Feito em madeira e metal. Pesquisando descobri que a Pegeout, conhecida mundialmente pela produção de carros, também produziu moedores, acessórios para consumo de vinho e guarda-chuvas. Ainda hoje há modelos fabricados que podem ser vistos neste link.

Detalhe de emblema do moulin à café da marca Peugeot. Foto: +Karla Vidal.

O modelo que adquiri foi o Peugeot Frères Valentigney (Doubs). É totalmente mecânico. Esse modelo, que traz em seu emblema o leão sobre uma flecha, foi fabricado até 1910. Não sei ao certo qual a data do meu, mas pesquisando na web vi que os moedores com essa placa chamada de Le lion sur flêche começaram a ser produzidos por volta de 1881 (wow!). Os moedores mecânicos da Peugeot são patenteados e a fabricação cessou em 1975 quando a marca lançou a primeira versão elétrica.

Fiquei espantada com o estado de conservação. Está quase perfeito. Digo quase porque há uma pequena rachadura em uma lateral do topo, já devidamente restaurada. Chegando ao Brasil +Augusto Noronha logo tratou de desmontar para uma completa higienização. Ficou mais lindo ainda! Pesquisando rapidamente na web, li que muitos chefs franceses vivem em busca desse tipo de equipamento. Há quem diga que o café e a comida preparada com especiarias moídas nesse moulin possuem sabor totalmente diferente de tudo o que já se tenha provado. Atesto que é verdade! Foi uma compra muito feliz!

Mais algumas imagens:

Moulin à Café modelo Peugeot Frères Valentigney (Doubs). Foto: +Karla Vidal.

Detalhe interno do chamado calotte localizado no topo do moedor . É nessa área onde os grãos são inseridos. Foto: +Karla Vidal.

Depois de moídos os grãos, o pó cai nessa gavetinha. Foto: +Karla Vidal.

Para ter acesso ao pó basta abrir e remover a gaveta. Foto: +Karla Vidal.

Para moer é só girar a manivela. Foto: +Karla Vidal.

Há mais detalhes sobre a anatomia do moinho nesse link (em francês).

E você? Compraria um objeto assim durante uma viagem à Europa? Conta pra gente nos comentários aqui abaixo!


Você vai gostar de viajar por aqui:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...