14 julho 2014

Onde ir na França: Louvre Lens

Jovem homem nu. Grécia. Estátua proveniente do Santuário de Asclépios, Deus da Medicina. Foto: +Karla Vidal 

Não sei ao certo se já comentei por aqui que minha visita ao Museu do Louvre, em Paris, foi um dos passeios dentre os que mais me frustraram na vida. A visita aconteceu no final do inverno de 2013. A companhia de +anne sophie lahalle foi bastante agradável, mas a visita em si, deixou-me realmente bem frustrada.

O Museu do Louvre de Paris é um planeta. Um dia de visita não dá nem para "tapar o buraco do dente" como se diz lá na minha terra. É tanta obra fantástica reunida em um só espaço que definitivamente não dá pra ver em um intervalo curto de tempo. Arriscaria dizer que um mês de visitas diárias não seriam suficientes para ver tudo. Sem falar que o ambiente é um dos que mais recebe visitas no mundo. Ou seja, você tem que disputar o espaço com milhares de pessoas. É muito cheio. É estranho. Gosto de ficar frente a frente com a obra, observá-la através de diferentes ângulos, ler ou ouvir a sua descrição. Demoro fazendo isso. No Louvre foi praticamente impossível...

Saí de lá com a sensação de que tanta obra reunida em um só lugar não é, em minha opinião, das decisões mais acertadas. Por que não distribuir as obras por outros lugares para evitar a sobrecarga no Museu?

Um ano depois tive a oportunidade de voltar à França. Mais uma vez na companhia agradabilíssima de +anne sophie lahalle e dessa vez com +Augusto Noronha. Na agenda de passeios estava o Louvre-Lens que é um espaço criado na cidade de Lens, que fica na região chamada de Nord-Pas-de-Calais onde também está localizada a cidade de Lille. O espaço inaugurado recentemente foi projetado com o objetivo de abrigar exposições itinerantes de peças previamente selecionadas da coleção do Museu do Louvre de Paris. É perfeito porque você tem acesso às obras de arte de diferentes períodos e coleções, expostas em um só espaço muito bem projetado e iluminado. O palácio do Louvre de Paris é lindo, uma obra à parte, mas é escuro. A melhor parte é que, até o final de 2014, a entrada para a seleção de obras do Louvre Lens é gratuita.

Parte do jardim do Louvre-Lens. Assim como as passarelas em concreto, há círculos como proposta de área de convivência ao ar livre. Foto: +Karla Vidal.

A área externa possui um bonito jardim com gramado e flores. No jardim, espalhados pelo gramado há círculos em concreto como sugestão de área de convivência, ideais para piqueniques. As obras do Louvre estão dispostas em ordem cronológica em um grande galpão moderno e com iluminação estrategicamente projetada. As atendentes são simpáticas e muito bem informadas. O espaço é amplo e claro o que permite melhor contato visual com as obras. O Louvre-Lens também oferece ao visitante um aparelho smartphone para acesso ao guia em áudio. O app para navegação é simples e intuitivo. Para ter acesso às descrições basta digitar o número da obra. Grande parte das obras expostas possui descrição em várias línguas que são comentadas por grandes especialistas em história da arte.

Detalhes da estrutura do Louvre-Lens. Fotos: +Karla Vidal.

A seguir reproduzo a descrição do site seguida de uma tradução livre:

Contrairement à d'autres musées, le Louvre-Lens ne disposera pas de collections propres. La Galerie du Temps exposera pour 5 ans au sein du musée du Louvre-Lens des chefs-d'œuvre du Louvre, selon une présentation chronologique. Sur 120 mètres de long, de la naissance de l'écriture vers 3 500 avant JC jusqu'au milieu du 19e siècle, toutes les civilisations et techniques seront représentées, embrassant ainsi l'étendue chronologique et géographique des collections du musée du Louvre. La Galerie du Temps s'organisera en 3 grandes périodes : 70 œuvres pour l'Antiquité, 45 œuvres pour le Moyen Âge et 90 œuvres pour les Temps modernes.
Ao contrário de outros museus, o Louvre-Lens não terá coleções próprias. A Galerie du Temps (Galeria do Tempo) vai expor em ordem cronológica, durante 5 anos, uma série de obras-primas selecionadas do Museu do Louvre de Paris. Em 120 metros de comprimento estarão expostas obras de períodos que vão desde o nascimento da escrita, 3500 a.C. até meados do século XIX.  Todas as civilizações e suas técnicas estão representadas abrangendo assim a ordem cronológica e geográfica das coleções do Museu do Louvre. A Galerie du Temps está organizada em três períodos principais: são 70 obras da Antiguidade, 45 obras da Idade Média e 90 peças dos tempos modernos.

La Grande Galerie do Louvre-Lens. Espaço específico para exposição das obras vindas diretamente do Museu do Louvre de Paris. Foto: +Karla Vidal.

Além das obras selecionadas do Louvre de Paris, expostas na intitulada Grande Galeria, o Louvre Lens também abriga exposições especiais. Nesse verão o visitante poderá escolher entre a exposição Les Désastres de la Guerre. 1800-2014 que custa 9 euros ou a exposição 30 ans d'acquisitions en Nord-Pas de Calais também gratuita que apresenta uma visão geral das aquisições dos museus da região durante os últimos 30 anos.

Se você também é um admirador de arte que gosta de viver a experiência de visita ao museu da forma mais intensa possível, indico fortemente a visita ao Louvre-Lens. Sob uma perspectiva matemática temos 205 obras no museu de Lens contra mais de 35 mil obras do museu de Paris. Eu realmente prefiro ver menos, mas ver direito. No entanto, se você tem tempo sobrando para utilizar em Paris, uma série de vistas ao Louvre-Paris será também uma boa ideia.

Agora vamos às obras e seus detalhes:

Tablete com escrita pré-cuneiforme. O conteúdo diz respeito a questões alimentares. Mesopotâmia, atual Iraque. Foto: +Karla Vidal.
Ídolo feminino nu com braços cruzados. Grécia. Foto: +Karla Vidal.

Detalhe de sarcófago em madeira  La dame Tanetmit. Tebas/Egito. Foto: +Karla Vidal.

Arqueiro da Guarda real. Fragmento da decoração do palácio do rei Dario I. Susa, atual Irã. Foto: +Karla Vidal.

Cena de exposição da morte em vaso funerário. Atenas/Grécia. Foto: +Karla Vidal.

Guerreiro combatendo um dragão. Objeto profano. Placa em cobre dourado. Meuse/França. Foto: +Karla Vidal.

Bella Donna: louça cerimonial.  Faiança. Deruta/Itália. Foto: +Karla Vidal.

São Sebastião de Pietro di Cristoforo Vanucci. Óleo sobre madeira. Foto: +Karla Vidal.

Detalhe da obra Mariana Waldstein, marquesa de Santa Cruz. Francisco Goya. Foto: +Karla Vidal.

São Francisco morto. Madeira pintada, osso (dentes), vidro (olhos) e cânhamo. Espanha, 1650.


Mais informações estão disponíveis em francês, inglês e holandês no site do museu: http://www.louvrelens.fr


11 julho 2014

Almofadas muito legais!


Almofada nunca é demais! Sou do time que espalha almofadas pela casa inteira. É ótimo porque dá pra usar em praticamente todos os lugares: sala, quarto, escritório, jardim etc. Como não amar um sofá ou uma cama repleto de almofadas descoladas?

Além de versátil uma almofada bem projetada pode dar ainda mais vida ao ambiente. Eu particularmente gosto das estampas mais abstratas e coloridas. Porém, nunca deixo de observar outros estilos de estampa. Florais e frutas também são extremamente charmosas e chamam muito a minha atenção. Também há aquelas com estética pop e kitchy cheias de personalidade. Outra opção bacana são os apliques como buttons ou bordados, por exemplo. Fica lindo!

Em busca de almofadas legais, acabei fazendo uma seleção que, como sempre, veio parar aqui no blog :) Nas legendas mais informações sobre cada produto.

Abstract 06 by Georgiana Paraschiv

Stig Lindberg collection: POTTERY PILLOW

Decorative bed pillows - Big Apples

Inhabit Modern Classics 1948 Synthetic Pillow

Housse de coussin, multicolore: MALIN FIGUR

Animaux Coussin Girafe


07 julho 2014

Foi um pouquinho de Brasil iá iá!

Decoração de bar em Oostende na Bélgica.

Voltamos! Nossas férias acabaram e estamos cheios de inspiração e novas ideias para o segundo semestre desse ano. Aguardem!

Durante as férias visitamos nossos familiares na França e passeamos por algumas cidades da Bélgica e por Amsterdam, na Holanda. Foi uma temporada muito feliz que nos rendeu milhares de imagens e muita informação que, aos poucos, vamos compartilhando aqui no blog.

Para começar eu queria apresentar uma situação que me chamou atenção pelos lugares por onde passei. Diz respeito a imagem do Brasil lá fora. Fiz questão de trazer pra cá porque o que vi na Europa fez com que eu repensasse um pouco sobre como o mundial de futebol pode ajudar a comunicar sobre o Brasil para outro países.

Não sou muito entusiasta de mundiais e nem de futebol, mas assisto porque gosto de me manter bem informada e quando a companhia é boa o programa é divertido. Augusto parece pensar da mesma forma. Uma prova de que não estávamos muito interessados no torneio foi o agendamento das férias para esse período. No entanto, em todos os lugares por onde passamos fomos indagados por que deixamos o Brasil em um momento tão "especial". Para nós é sempre mais especial estar junto à nossa família. Franceses, belgas e holandeses estavam vivendo a Copa muito mais do que nós.

Integrante do time que não liga para o mundial e que tem severas críticas à forma como as decisões foram tomadas e os encaminhamentos tocados (ou não), admito que fiquei muito surpresa em ver como o Brasil está sendo bem visto e bem quisto lá fora, pelo menos nas cidades que visitamos.

Não há uma só loja que não tenha uma seção de produtos dedicados ou relacionados ao Brasil. Aliás, grandes redes como a francesa Monoprix criaram coleções inteiras inspiradas nas terras tupiniquins. Muito bonita, diga-se de passagem. Lojas de luxo exibiam em suas vitrines as novas tendências da moda com estampas relacionadas ao Brasil. Livrarias reuniram em stands livros sobre nossa culinária, literatura, cultura e diversos outros aspectos da nossa sociedade. Quis comprar, mas era caro. No supermercado havia até petiscos em formato de bola de futebol ornados com a nossa bandeira. Na Braderie (bazar/brechó a céu aberto) os produtos que faziam referência ao Brasil ganharam destaque. O país estava na frente de quase tudo! A exceção parecia ser apenas o poster do Cristo Redentor que marcava 1 x 0 para a França...

Até aí tudo bem. Parecia apenas interesse comercial na venda de produtos. Deve acontecer com todo país sede. Mas, passeando na orla de algumas cidades na Bélgica começamos a ver diversas bandeiras decorando as varandas das casas. Ou havia muito brasileiro por lá ou realmente existe uma grande simpatia pelo país e seu evento. E as bandeiras do Brasil tremulavam junto às da Bélgica. Já no interior da França, no museu, de um grupo de crianças fazia parte um garotinho que usava orgulhoso a camisa canarinha. Achei que era brasileiro até quando ele abriu a boca para falar seu bom e complicado alemão. Na frança os comentaristas comentavam que o Brasil entregava ao público um excelente evento e complementavam o discurso afirmando torcer para o país que merecia ganhar pelo bom trabalho desenvolvido.

Juntando essas peças todas eu percebi que sim, a realização do mundial — mesmo com todos os problemas que não é preciso mencionar, já que esbarramos com eles o tempo todo ao sair de casa — é um momento bastante importante em que está sendo construída uma boa imagem do país lá fora. Agora eu acredito que tem muita gente respirando ares brasileiros, mesmo sem colocar os pés em nosso solo. Ser lembrado é sempre algo bom. O mais interessante é que, mesmo com grande parte da mídia fazendo questão de supervalorizar os pontos negativos do evento (também fiz isso, reconheço!), há um outro lado da moeda que está investigando e trabalhando sobre conteúdo relacionado ao que temos de melhor. Fiquei feliz e gostei de ver!

A seguir algumas imagens:

Vitrine de loja em Lille, França.

Vitrine de loja em Amiens, França.

Livraria em Lille, França.

Braderie em Lille, França.

Braderie em Lille, França.

Vitrine de loja em Lille, França e janela em Amsterdam, Holanda.

Varanda de apartamento em Koksijde, Bélgica.

Grupo de crianças no museu Louvre Lens, França.

Vitrine de loja em Lille, França
Fotos: +Karla Vidal.


06 junho 2014

O que dá pra fazer com garrafas (the best)


5 de junho é o Dia Mundial do Meio Ambiente. É justamente por causa dessa data que as pessoas começam a se movimentar em ações de sustentabilidade. Eu particularmente acho que essa movimentação tem que ser feita o ano inteiro, dia após dia. Sustentabilidade precisa ser um hábito de vida e não uma data. Já temos tantas... Esse é só um reclame dos mais básicos.

No escritório ou em casa, Augusto e eu costumamos pôr em prática diferentes ações de sustentabilidade. É um hábito que adquirimos há tempos e já faz parte do nosso dia a dia. Praticamos o reaproveitamento de materiais, o consumo consciente e o faça você mesmo. Compramos em bazares e brechós e repassamos aquilo que não usamos. Também doamos material para reciclagem. Fazemos há tanto tempo que é quase automático.

Quando você pratica essas ações começa a se surpreender com as inúmeras possibilidades dessas boas práticas. O reaproveitamento, por exemplo. Não lembro mais qual foi a última vez que compramos potes de plástico ou vidro para organizar mantimentos. Sempre reaproveitamos os vidros e as garrafas que eram embalagens para outros produtos. Inclusive já mostramos aqui no blog algumas das nossas ideias de reaproveitamento.

O mais legal é que, depois de certo tempo reaproveitando, começam a surgir ideias de projetos. E são essas ideias que deixam a coisa toda muito mais legal. Foi nessa semana do meio ambiente que vimos na web o trabalho de reaproveitamento mais legal do século desenvolvido pela empresa Lucirmás.

A empresa espanhola levanta a bandeira do Eco Design e dos projetos handmade. “Fazemos à mão objetos originais com 100% de vidro reciclado, oferecendo ao público a qualidade de um belo produto artesanal”, afima o site. Como se esse mote lindo não fosse suficientemente conquistador, a empresa é responsável pelos cortes de garrafas mais perfeitos que já vi na vida. Os projetos são de uma simplicidade absurdamente genial! Para que meu texto não se resuma a adjetivos, seguem as imagens que falarão melhor do que eu sobre o trabalho da Lucirmás.










Imagens: http://lucirmas.com


03 junho 2014

Ímãs descolados - Vlog da Pipa


Demorou mais saiu! 1º vlog da +Pipa Comunicação tá no ar!

Vocês vão perceber que estamos totalmente in love com a produção dos bottons (ou buttons) e estamos criando e experimentando todas as possibilidades. É incrível quando uma iniciativa estimula sua criatividade ao ponto de proporcionar a criação de múltiplos outros projetos. Foi sábia a decisão de adquirir um balancim.

Com todo esse amor envolvido, decidimos que no primeiro vlog iríamos mostrar o processo de criação e produção de um desses projetos. Não vou me prolongar na explicação porque o que a gente quer é que vocês assistam, comentem e digam se querem mais ou se sugerem que a gente se aposente :)

É só dar play!



Você vai gostar de viajar por aqui:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...